Podcast Rolando 20 – Episódio 33 – Classes Primais

Episodio 33 - Classes PrimaisOlá Jogadores e DMs!

Hoje eu, Daniel Anand, e meu parceiro de cast, Davi Salles, batemos um papo sobre as classes primais, focando mais no Shaman e no Warden, já que falamos sobre o Druida e o Bárbaro no episódio nove. Como funciona essa conexão das classes primais com a natureza e os espíritos, como dar vida a seus personagens ligados a seu lado mais rústico, além de nossos pitacos genéricos tradicionais.

Links

Iniciativa 4e

Mais uma vez, se vocês quiserem (e puderem) continuar ajudando a manter o podcast, faça sua próxima compra de Dungeons & Dragons na Amazon, é só clicar antes aqui!

Vamos afastar os maus espíritos da sexta feira treze e rolar muitos 20!

Sobre Daniel Anand

Daniel Anand, engenheiro, pai de gêmeas e velho da Internet. Seu primeiro de RPG foi o GURPS Módulo Básico, 3a edição, 1994. De lá para cá, jogou e mestrou um pouco de tudo, incluindo AD&D, Star Wars d6, Call of Chuthulu, Vampire, GURPS, Werewolf, DC Comics (MEGS), D&D 3-4-5e, d20 Modern, Star Wars d20, Marvel Superheroes, Dragonlance SAGA, Startrek, Alternity, Dread, Ars Magica e atualmente mestro 13th Age. @dsaraujo no twitter
Esta entrada foi publicada em Podcast e marcada com a tag , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

13 respostas a Podcast Rolando 20 – Episódio 33 – Classes Primais

  1. Nikola Tesla disse:

    Maravilha, estão falando da minha fonte de poder favorita, parabens pela escolha. Recomendo para os interessados que procurem pelo jogo “hordes”, o jogo de miniaturas.

  2. Rodrigo Marini disse:

    Fala Pessoal!
    Estou escutando o Podcast Rolando20, e na parte dos Shamans (ou Xamâns) o Anand comenta sobre os Theurges do jogo Lobisomen: O Apocalipse. Como curiosidade, também vale mencionar os Oradores do Sonhos do Jogo "irmão" de Lobisomen, o Mago: A Ascensão, onde lá existe uma ordem mágika (com K mesmo) que também explica exatamente o lance do Shaman. Os Oradores são magos que utilizam de drogas, danças, rituais e outros métodos para alcançar os reinos espirituais e falar com os espíritos, sendo que a esfera que eles controlam é justamente Espírito. Vale uma consulta também,

  3. Riketz disse:

    bem legal.. otimo podcast..

    a iclusão das classes primais ajudou a fechar o conceito de fontes de poder, onde as fontes psíquicas e de sombras tendem á terminar este circulo de fontes de poder..

    adendo: o pumba creio estar mais pra javali.. o timon é um suricate..

    não relacinado ao podcast, mas à um topoco escrito por vc anand, a "iniciativa no escudo"
    fiz o mesmo esquema para minha mesa, onde incluo uma imagem do personagem com o nome.. mas na parte que fica virada para o mestre, coloquei o resumo da ficha do personagem que vem no CB..

    desta maneira já fica mostrando ao mestre informações como os valores das Defesas (CA, Fortitude, Reflexos e VOntade), Percepção passiva e Intuição passiva.. PVs máximos e talz.. assim não preciso ficar perguntando aos jogadores seus valores, ou anotar em outra planilha de controle..

  4. Pingback: Resumão – 14/11 – No Twitter Do Fim Do Mundo Só O Grunge Destrói « TeiaCast

  5. Márcio disse:

    Olá galera! Belo cast o dessa semana! Estou ancioso para que alguém do meu grupo decida mestrar no meu lugar, só pra variar, e estreiar o meu Dragonborn Warden.
    Daniel, eu não entendo bem sobre edição de som, mas será que não existe um meio de aumentar o volume da faixa do davi? Ele naturalmente fala baixo, mas particularmente neste cast, ele está quase falando para dentro em alguns momentos!

    Ah sim! O Post sobre espíritos já está disponível no QDR.
    http://www.qdr.com.br/?p=328

    Abraços!
    My recent post ESPIRITOS

  6. Em um ambiente urbano, qualquer personagem de origem Primal ficará deslocado, é verdade, mas isso não quer dizer necessariamente que ele vai ter que ser ignorado por completo em uma campanha que envolva tramas metropolitanas. Já havia esse problema na terceira edição, quando você tentava explicar o que um Bárbaro ou um Druida faria em uma cidade grande como Waterdeep (Águas Profundas)? Pode-se chegar a um consenso se você conseguir ligar algum elemento da história do personagem na trama da aventura. Por exemplo: o bárbaro pode ter encontrado pistas de que o assassino de sua família era agora o braço direito de um grande chefe do crime organizado da cidade, ou o druida pode ter ido resgatar um animal raro, em risco de extinção, que foi capturado de forma ilegal para fazer parte da coleção de animais exóticos de algum nobre mimado. No fim, são pequenos empecilhos que podem dar margem para grandes ganchos de aventura e introduzir esses personagens mais "selvagens" dentro de um contexto mais civilizado!

    • DM Rafael disse:

      Curioso, Severo, o exemplo do druida foi basicamente o que rolou no meu penúltimo jogo, onde o pessoal tinha arranjar provas para inocentar a amiga de infância do druida shifter.

      A diferença foi que o animal exótico era uma menina wherewolf que foi traficada pelo nobre/crime lord.
      Mas acho que é isso ai, não precisa de muita coisa para integrar diferentes backgrounds (ou fontes de poder) e dar certo.

  7. sembiano disse:

    Opa,

    Eu que sou da época onde tínhamos medo de Guerra Nuclear e não de calendário Maia, escutando este ótimo cast lembrei de dois exemplos da minha época para primal heroes, vejam se vocês concordam:

    – Bravestar: http://pt.wikipedia.org/wiki/BraveStarr ; http://www.youtube.com/watch?v=rE3F5dot4pk

    – Fantasma (versão do desenho Defensores da Terra) que convoca o poder dos 10 tigres, com frasinha e tudo
    My recent post Hamanu, o Leão de Urik

  8. Tsu disse:

    o poder diário do warden: Arauto do Inverno é praticamente obrigatório se vc quiser melhorar o stickness dele em pelo menos um combate. Aí vc bate com slow (peso da terrra) e a maioria dos inimigos não vão poder fugir por causa do terreno dificil.

    O Primal power lançou uns poderes melhores para minimizar a falta de stickness do warden.

    eu estava jogando com anão warden e é bem maneiro usar second wind como minor.

  9. samuel disse:

    é, o druida parece ser um controller (nao tao versatil) até melhor que o mago, alem do roleplay ser bem interessante, esse cast me deixou com aquela vontade, provavlemente na proxima vez que for jogar 4e irei pegar uma classe primal

    ————————————–

    Nos la do TPK Brasil (forum de podcasts de rpg que o rolando 20 faz parte) criamos um chat no msn,para podermos discutir sobre RPG e outras bobagens no msn, bastaria adicionar group816660@groupsim.com , mas parece que por alguma obra do destino nao ta dando certo, entao peço aos interessados que se nao conseguirem adicionar, deixar o msn aqui ou entao no topico do tpk: http://www.tpkbrasil.net/rpg-em-geral-f6/tpk-bras

    nos vemos por lá

    • DM Rafael disse:

      Na minha mesa tem dois controlers: uma maga de cajado e um predator druida shifter. O druida tem muito mais poderes de efeito, nesse sentido ele é muito mais controler (WALL OF THORNS!!!) . Mas na última sessão, o jogador que interpreta a maga faltou e cara… que diferença fez no combate!

      Mesmo seus poderes não tendo muito efeitos diferentes (e foi uma escolha, ele optou por ser uma maga de batalha, com magias de fogo), os poderes de área fazem uma diferença bruta na mesa. Mesmo com o nível de desafio ajustado pra quantidade de jogadores.

      • samuel dw disse:

        entao o druida segura mais, mas da menos dano?

        • DM Rafael disse:

          A maga realmente dá mais dano, mas por vários motivos (Staff of Ruin, especialização em magias de fogo). O caso é que classe wizard tem mais poderes que afetam vários oponente, então isso contribui para o dano global.

          Então acredito que sim, o druida da menos dano, mas afeta mais. Mas ele pode exercer o role secundário de striker, caso busque mais poderes de wild shape. Mas geralmente contra apenas um inimigo, pelo o que pude ver até o momento.

Os comentários estão encerrados.