Podcast Rolando 20 – Episódio 92 – Origens RPGísticas

Essa semana contamos com Gustavo Sembiano para contar as nossas origens RPGísticas. Como começamos a jogar, o sentimento nostálgico e tudo mais.

E se você gosta de Dungeons & Dragons e RPG em geral, não deixe de seguir o Rolando 20 no Facebook e no Twitter! Sempre tem novidades, dicas e links por lá! Vocês podem nos ajudar comprando Dungeons and Dragons na Amazon, PDFs na Dungeon Master Guildou ajudar diretamente e ser nosso patrono!

Também temos nosso canal no YouTube, onde rola conteúdo adicional e complementar, se inscreva! Voltamos em duas semanas com mais um episódio! Assine nosso feed, também estamos no iTunes e na Play Store.

Não esqueça de deixar o seu comentário! Como você começou a jogar RPG?

Sobre Daniel Anand

Daniel Anand, engenheiro, pai de gêmeas e velho da Internet. Seu primeiro de RPG foi o GURPS Módulo Básico, 3a edição, 1994. De lá para cá, jogou e mestrou um pouco de tudo, incluindo AD&D, Star Wars d6, Call of Chuthulu, Vampire, GURPS, Werewolf, DC Comics (MEGS), D&D 3-4-5e, d20 Modern, Star Wars d20, Marvel Superheroes, Dragonlance SAGA, Startrek, Alternity, Dread, Ars Magica e atualmente mestro 13th Age. @dsaraujo no twitter
Esta entrada foi publicada em Podcast e marcada com a tag , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Uma resposta a Podcast Rolando 20 – Episódio 92 – Origens RPGísticas

  1. Spell tá viva ainda, caras. Não tão robusta quanto antes, é verdade. Mas vez ou outra, ainda discutirmos RPG, e respondo dúvidas de DnD 5e (e combos de Clérigo da 3.X) por lá. Pra quem quiser acessar, o endereço é: http://spellrpg.com.br/.

    Aliás, adaptando de um tópico que eu mesmo abri lá na Spell, minha origem RPGística foi mais ou menos assim:

    Comecei como jogador de DnD. O mestre e os outros jogadores eram amigos de escola. Meu primeiro personagem era um drow paladino com uma foice — eu tinha uns 14 anos [por volta de 2002/2003], ok? Nunca havia jogado RPG mais by the book*, peguei o livro do cenário de Forgotten Realms da 3.X, o cenário onde iríamos jogar, e depois o Livro do Jogador de DnD, 3.0 ainda. Na hora, eu pensei que ia ser legal um drow paladino. (Detalhe, não conhecia o Drizzt e sua fama). O mestre ficou meio reticente e a contragosto aceitou o personagem. No fim, ele durou poucas sessões: o ajuste de nível e a falta de sinergia acabaram minando o gosto por ele. Acabei fazendo um re-skin e transformei num drow feiticeiro (que também não foi muito pra frente, aliás).

    *Antes disso só havia experimentado “RPG” uma vez, um free-form porra louca de AD&D (acho) quando tinhas uns doze anos e que parecia mais um “conte sua história aí e a gente vê o que acontece”. Mas não teve criação de personagem, deram-me o papel de guerreiro espadaúdo do jogo e pronto.

Os comentários estão encerrados.