Reporte de Campanha: 13 Tribos de Xen’drik sessão 7

Olá Jogadores e DMs! Ultra mega-atrasada, relato como jogamos mais uma sessão de aventuras no território perdido de Xen’drik, na campanha de D&D 4a edição que eu comecei a contar por aqui, no mundo de Eberron! Devemos jogar de novo no RPG na Unicamp.

A missão

O grupo está seguindo as pistas dos espíritos para descobrirem mais sobre A Profecia, que parece ser meio apocalíptica. Para isso, os espíritos avisaram que será necessário reunir as treze tribos de Xen’drik. A profecia completa está escrita interior de fragmentos de dragonshards. O grupo já recuperou três shards (e agregou o espírito do Javali, do Rato e do Urso Branco), e agora estão no caminho de volta para casa, na tribo dos Javalis Negros. Aproveitaram para atacar um forte orc, que talvez tenha pistas do passado de Karrak.

O grupo

  • Russ, Drow Sorcerer, mateiro de Xen’drik;
  • Kazzak, Goliath Warden, embaixador dos goliath;
  • Bashir, Dragonborn Warlord, emissário dos profetas;
  • Ianis, Dwarven Shaman, aprendiz da tribo;
  • Karrack, Meio-Orc Barbarian, último dos Tigres Brancos;

Chefe OrcOs encontros

  1. O grupo entra com tudo no forte orc, e interrompem um banquete dos guerreiros verdes. Um clérigo de Grumsh e seus soldados partem para cima do grupo, mas não tem muito sucesso. Rapidamente eles caem, mas alertam a sala ao lado.
  2. No topo da torre, o Chefe Orc e seus asseclas desafiam Karrak e seu bando para um duelo até a morte. Nos seus últimos instantes, o Chefe fala que Karrak ficará responsável por sua família, seguindo a tradição dos orcs.
  3. Escondida, estava a família do chefe: duas mulheres e várias crianças orcs. Karrak não sabe bem o que fazer, e acaba matando os adultos e deixando as crianças para sua própria sorte no forte. Os outros membros da comitiva (incluindo sua irmã, Bárbara) não aprovam seu método.
  4. O grupo parte para o norte, enfrentando muito frio e problemas no caminho.

Minhas observações

  • Achei que adicionar a família do chefe ia ser um dilema ético, mas Karrak sentou a mão sem dó… Esse grupo está caminhando para o lado negro! 🙂
  • Essa sessão foi super improvisada, mas espero compensar nas próximas sessões, já que estou mega empolgado com Eberron agora, lendo avidamente vários suplementos!

Por enquanto é só, continuem rolando 20!

Arte de Claudio Pozas

Sobre Daniel Anand

Daniel Anand, engenheiro, pai de gêmeas e velho da Internet. Seu primeiro de RPG foi o GURPS Módulo Básico, 3a edição, 1994. De lá para cá, jogou e mestrou um pouco de tudo, incluindo AD&D, Star Wars d6, Call of Chuthulu, Vampire, GURPS, Werewolf, DC Comics (MEGS), D&D 3-4-5e, d20 Modern, Star Wars d20, Marvel Superheroes, Dragonlance SAGA, Startrek, Alternity, Dread, Ars Magica e atualmente mestro 13th Age. @dsaraujo no twitter

Esta entrada foi publicada em Post, Reporte de Sessão e marcada com a tag , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

12 respostas a Reporte de Campanha: 13 Tribos de Xen’drik sessão 7

  1. DM Rafael disse:

    Esse dilema do extermínio de crianças e mulheres de espécies inimigas é sempre interessante. Curiosamente, meus jogadores nunca tiveram muito remorço também. Era faca na garganta sem pensar!

    Bizarro, não? Mas acho que é esse tipo de intolerância que marca as animosidades dessas raças por gerações e gerações.

  2. Youkai X disse:

    é que jogadores nunca pensam como personagens, e sim como jogadores XD. Mas note como ele~ao menos deixou as crianças vivas, nem que seja para deixá-las a própria sorte. Olha que numa mesa futura um PC pode ser um desses orcs XD

  3. Vinicius Zóio disse:

    "Karrak não sabe bem o que fazer, e acaba matando os adultos e deixando as crianças para sua própria sorte no forte."

    PUTA QUE O PARIU, siiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiinistro! Na minha antiga campanha de Star Wars isso valeria no mínimo uns 30 Dark Side Points… Indo pro Lado Negro? Irmão, seu grupo tá dois passos à frente do Darth Vader! 😀

    Camarada Anand, você mencionou um duelo – por acaso, foi um duelo 1×1? Tem um camarada lá no fórum da Rede perguntando justamente sobre isso, dá para falar um pouco mais sobre como vc fez esse duelo na sua mesa?

  4. Elda King disse:

    Assassinar mulheres e crianças orcs indefesos, pelas quais ele era responsável, é exatamente a fronteira entre Unaligned e Evil.

    Se você quiser colocar um dilema para os jogadores, você precisa de um paladino (das antigas, leal e bom e certinho). O dilema neste caso é entre "perder os poderes" e "ter que lidar com esses bichos".

  5. Youkai X disse:

    Mas ele matou as duas mulheres orcs e deixou os garotos vivos.

  6. DM Rafael disse:

    <s>as fêmeas e</s>

  7. DM Rafael disse:

    Crueldade por crueldade, deve ter passado a faca em geral logo. Ao menos ele poderia dar uma de Anakin e dizer que são todos inumanos e irracionais. Ao permitir que as fêmeas e as crianças vivessem, ele assumiu um falso moralismo.

    O melhor mesmo teria sido abraçar a galera e virar um warlord orc 🙂

  8. Caraio, essa foi forte mesmo! Sair matando orcs em combate franco é uma coisa, mas matar fêmeas indefesas já é chutar o pau da barraca! Bom, mas isso pode se tornar um grande gancho para aventuras futuras. Veja bem, digamos que os personagens sigam carreira durante alguns anos mais, aproximando-se dos níveis épicos. Então, vindo do passado para assombrar os aventureiros, podem aparecer justamente os filhos do chefe orc, mais velhos e experientes, prontos para levar a cabo sua vingança pela morte cruel de suas mães! Isso com certeza seria uma cena memorável na campanha!

  9. Karrak disse:

    Pô não foi bem isso que aconteceu…Pelo que eu me lembro, eu só matei uma orc, e ainda foi porque ela me provocou, dai quando eu fui matar a outra o pessoal me segurou e eu acabei deixando pra lá.

  10. SamuelDW disse:

    Bom, gosto muito das seçoes de jogo, mas acho que ficaria bem melhor se vozes fizessem como o vozes e gravassem a seçao, intercalando com o podcast

Os comentários estão encerrados.