E chegamos a última sessão dos Escamas Púrpura. O quê? A campanha acabou? Não, nada disso. Mas o esquadrão de elite do reino de Cormyr acabou, já que os líderes justos e transparentes voltaram ao trono, e agora nosso time precisa de um novo nome. O grupo deve pensar em um nome novo nas próximas sessões, mas fiquem à vontade para sugerir nos comentários!

Depois dos acontecimentos da última sessão, um ano se passou, mas novas ameaças chamam a atenção do grupo que salvara o reino de Cormyr, desta vez na região do Moonsea. Calixto, procurando suas irmãs dominadas por Thay, chegou numa pista que lhe levaria até Phlan, procurando uma antiga prisões de demônios. Szass Tam entregou a essência de sua irmã Urânia a um Menzodemon e seus asseclas; a eladrin chamou então os antigos amigos, e eles partiram para novamente combater o mal.

O que é um reporte de campanha? É uma postagem onde descrevo sucintamente os acontecimentos da última sessão, comentando os encontros e desencontros do grupo. Nossa aventura é em Forgotten Realms, usando o sistema do D&D 4ª edição, pós Spellplague. O nosso grupo está no nível 11, no início do estágio exemplar. A primeira aventura foi totalmente improvisada, não só para o grupo ir se adaptando aos novos poderes, mas eu como DM também!

A missão

As irmãs eladrin Calixto e Calima foram sobreviventes da necromancia de Szass Tam, archilich de Thay, mas suas irmãs não tiveram a mesma sorte, sendo transformadas em vários tipos de mortos-vivos. Calíope, já foi derrotada, quando enviada à Suzail para comandar o aspecto de Demogorgon. No entanto, as eladrins continuaram a busca pelas outras. Chamando os antigos companheiros da época dos Escamas Púrpura, o anão Amos, o bugbear Wren e a halfling Evangeline, o grupo parte para o norte do Moonsea, próximos a cidade de Phlan.

O grupo

Na sessão dezenove tivemos o grupo completo: Amos, Wren, Calima, Calixto e Evangeline presentes, todos com suas paragon paths novas!

  • Amos, anão fighter (Battlerage Vigor), Dreadnought;
  • Calima, eladrin barda (Virtue of Cunning), Summer Rhymer;
  • Calixto, eladrin warlord (Tactical Presence), Comando Captain;
  • Evangeline, halfling rogue (Artful Dodger), Guildmaster Thief;
  • Wren, bugbear rogue (Brutal Scoundrel), Daggermaster;

O downtime

Um ano se passou entre a sessão 18 e a 19. Os escamas púrpura debandaram, e veja o que aconteceu com os personagens:

Dreadnought

Amos

Amos não pediu nada para o rei, apenas que ele pudesse continuar lutando em nome de Moradin e se aprimorasse no combate. Ele continuou trabalhando nos Escamas Púrpuras, e cada vez mais se dedicou a conseguir não só resistir aos ataques, mas também poder vencer as batalhas mesmo com o pior dos ferimentos. Entre seu treinamento e suas missões, ele acabou desenvolvendo uma resistência ainda maior, e nas meditações para seu deus, foi conseguindo aos poucos usar sua energia vital para superar até seus maiores ferimentos e condições, como já havia feito no passado para superar algumas doenças.

Com o passar do tempo, ele conseguiu um controle de sua vitalidade e a aumentar sua resiliência no calor da batalha. E finalmente lembrando o que aprendeu convivendo com seus amigos, lembrou da arma que Wren usava, que exigia um pouco de sua vida para aumentar a força de seus ataques. Esse foi o último passo, para que Amos finalmente se tornasse um verdadeiro couraçado humano, lutando incansavelmente e usando sua própria resistência para aumentar seus golpes.

Amos recebeu o Blessing of Moradin, um poder passivo que faz com que Amos receba +1 de dano para cada milestone (cumulativo, zera no descanso).

Calixto

Calixto fica em Cormyr, treinando com os Purple Dragons e coordenando um grupo de quem mais de nós ficar nos Purple Scales. Seus objetivos de investir contra Thay são reafirmados após ela e sua irmã salvarem Calíope, então ela não desiste. Cormyr, no entanto, não parece inclinada a enviar exércitos para Thay de novo tão cedo, especialmente depois das maquinações do primo do novo rei. Então, antes mesmo dos Purple Scales serem debandados, Calixto sai em viagem tentando angariar exércitos para uma nova guerra. Mas ninguém parece muito interessado em começar um esforço de guerra real, afinal, desde o último fiasco, ninguém anda muito crente em uma nova coligação contra Thay.

Mas, se não dá para juntar exércitos sob a bandeira das nações, há sempre a alternativa de usar a religião. Juntando o fator “país infestado por undeads” + “guerra” na equação, não demora muito para Calixto perceber que o melhor negócio é encher os ouvidos dos seguidores de Tempus de toda parte para reunir exércitos, razão pela qual ela peregrina de templo em templo, tentando fazer vingar a idéia de uma Cruzada contra Thay, e consegue aceitação na maior parte dos locais por onde passa.  Não consegue um exército, mas pelo menos um grupo de seguidores, que formam uma milícia mercenária na nova base da eladrin, em Hillsfar.

Szass TamAssim, Calixto aproveita que cada um tomou seu rumo e passa o ano angariando aliados para, futuramente, conseguir derrubar Szass Tam e salvar suas irmãs. Mas mantém contato com seus companheiros constantemente, afinal, a guerra final contra o Lich não começará tão cedo, e ela precisará de seu antigo time se quiser ter sucesso!

Calixto pode usar a milícia de Tempus para pequenas missões, e para a obtenção de itens mágicos até o nível 10. Também recebeu o primeiro pagamento do grupo, no valor de 3 mil peças de ouro. Recebeu dos templos de Tempus o Tempus’ Battle Standard, que funciona como o Shepherd’s Battle Standard.

Calima

Na busca de suas origens e treinamento, visita a Feywild, mais precisamente a cidade de Mithrendain. Lá, treinou, e lutou contra fadas malignas das torres gélidas.

Calima ficou qualificada aos feats e poderes do artigo de  Mithrendain que saiu na Dragon, e ganhou uma Wand of Allure +2.

Evangeline

Montou uma guilda de ladrões em Hillsfar; Ficou especialista em jogos, atuando no jogo underground da cidade. Durante o período, conseguiu obter o famoso Dado da Fortuna.

O dado tem os stats do Dice of Auspicious Fortune que saiu no último artigo de Halflings da Dragon. Basicamente, ele guarda três roladas de d20 no dado mágico, e pode substituir roladas posteriores pelas roladas guardadas.

LolthWren

O Wren saiu dos Purple Scales para se juntar à guilda de Evangeline. Na guilda, treinou e se tornou um Daggermaster! Ainda manteve o contato com os aliados Drow, e fez alguns serviços pra eles em paralelo com o trabalho da guilda. Agora o bugbear é um agente a serviço de Lolth, depois que ela fez sua presa nascer novamente. Além disso, Wren ainda caça seu inimigo eterno (literalmente) Laerl, o vampiro.

Como pedido especial por ter salvo Cormyr, Wren pediu a pérola que faltava para derrubar o Mythal de Myth Dranor. Não deram, mas ele voltou e roubou o item. Devolvendo a pérola aos Drow, Wren conseguiu novamente o favor de Lolth, com o objetivo da deusa considerar sua futura ascenção à seu braço direito. Por conta da ação de Wren, os drow conseguiram derrubar o mythal de proteção de Myth Drannor, recomeçando a guerra dos drow e desestabilizando toda a região.

A presa nova de Wren o deu um poder diário exclusivo:

Fang of Lolth
Feature
You viciously bite your enemy, piercing its flesh and injecting a deadly venon.
Daily * Martial, Poison
Standard Action                 Personal
Hit: 1d8 + Dexterity modifier damage. and the creature hit takes a -2 penalty to attack rolls (save ends). First Failed Save: The target is also weakened (save ends). Second Failed Save: The target falls unconscious until the end of the encounter.Increase damage to 2d8 + Dexterity modifier at 21st level.

Special: You must be blessed by Lolth

A história

  1. Calixto descobre que a essência de sua irmã Urânia foi entregue como pagamento à ajuda dos demônios de Myth Drannor a um Mezzodemon de uma antiga prisão subterrânea. O local mais provável para isso seria no subterrâneo do vilarejo de Weeping Briar. Chegando lá debaixo de uma chuva torrencial, o grupo é recepcionado por um grupo de criaturas liderados por um Quickling montado num urso atroz. Eles estavam perseguindo uma garotinha. O grupo ataca e vence as criaturas.
  2. SolfieA garotinha foge, mas o grupo consegue, com algum esforço e paciência, alcançar e acalmá-la. Calima a pega no colo, e ela diz se chamar Solphi. Ela conta que soltou um bando de demônios sem querer pela cidade, e que os moradores foram todos capturados, e que eles estão todos escondidos no moinho da cidade.
  3. No moinho, o grupo enfrenta vários demônios e um minotauro, que são vencidos com relativa facilidade.
  4. Descendo para o subterrâneo, o grupo encontra as ruínas da prisão dos demônios. Lá, um grupo de vários demônios, liderados por um Mezzodemon enorme, e um Bearded Demon aprisionado, estão sacrificando os moradores do vilarejo. No altar, a essência de Urânia. Uma batalha complexa se desenrola, especialmente por conta das mortíferas armadilhas necróticas espalhadas pela sala. O grupo se sobressai e elimina os demônios e o diabo aprisionado, e libertam os moradores. Calixto destrói a orbe que aprisionava a essência da irmã, que finalmente pode descansar em paz. Solphi agradece pelos pais recuperados, e o grupo são tratados como heróis.

Os encontros

Não tive tempo para preparar a aventura, apesar de já ter uma boa idéia do que vai acontecer pela frente. Estou misturando aspectos de duas aventuras da Dungeon, mais a mega aventura Revenge of the Giants, e isso vai ocupar grande parte do estágio exemplar. Mas, para a primeira aventura, usei a aventura One Dark Night at Weeping Briar, do Game Day do lançamento do Player’s Handbook 2 (a venda na D3Store!), ipsis literis. Até para ter uma idéia do nível do poder do grupo agora que eles estão muito mais munchkins!

Quem quiser a aventura, é só baixar no site da Wizards Play Network. Também dá pra arrumar em torrents da vida, é só procurar pelo nome. E recomendo a leitura desse post (em inglês) para melhorar bastante a sessão.

Minhas observações

Começamos de leve, com uma aventura simples, mas foi divertido. Demos risada e terminamos mais cedo. Eu já tinha mestrado essa aventura no Game Day, pulando o encontro no moinho, e devo dizer que foi muito melhor dessa vez. Primeiro porque os combates demoraram a metade do tempo. Segundo, porque como o Davi sempre diz, RPG é legal jogar com os nossos amigos!

De qualquer maneira, os níveis Paragon estão prometendo. Até a próxima!

Tags: , , , , , ,

Esse post foi escrito em 16th de novembro, 2009 às 3:56 pm na categoria Reporte de Sessão. Você pode acompanhar os comentários desse post no feed RSS 2.0. Both comments and pings are currently closed.

10 comentários até agora

 1 

Inveja do tempo em que eu jogava RPG rapaz…
e você está fazendo como eu, Anand. Sem tempo, chupinha do que já tá pronto, adaptando. Fácil rápido e divertido.

Parabens por ter conseguido levar o grupo do 1 ao 11 numa balada só.

16 de novembro, 2009 às 7:47 pm
 2 

Valeu! Mas tenho que confessar que essa campanha começou com os PCs no nível 2. ;)

16 de novembro, 2009 às 8:02 pm
Youkai X
 3 

Só agora que eu vi que o grupo além de nào ter humanos é composto mais por personagens femininas que por masculinosXD

Parabéns pelo início de tier novo. Paragon tier é bem legal mesmo

17 de novembro, 2009 às 12:58 am
Puppet
 4 

Anand, queria saber uma coisa.

O Forgotten 4ed. tem recebido várias críticas tanto que dessa vez eu dei preferêcia para o Eberron (depois de ouvir o podcast). Mas, é um cenário clássico e eu tava pensando em comprá-lo também.

Na sua opinião e dos demais que verem esse post como está o Forgotten 4ed ? Vale a pena ter ? Ele se adaptou bem a nova edição ?

17 de novembro, 2009 às 12:05 pm
 5 

Eu jogo em Forgotten Realms desde a 2a edição, e na minha opinião o cenário continua sendo o meu favorito. Excelentes organizações malignas, reinos dos mais variados tipos, inúmeras lendas, divindades, artefatos e NPCs para deixar qualquer outro cenário no chinelo.

As regras da 4e influenciaram o cenário, especialmente na mudança da magia. Muitos NPCs overpowers também sairam do cenário, dando mais espaço aos PCs. E, claro, temos muito mais livros para AD&D e 3e que o único guia de campanha de FR. Se você não conhece o cenário, isso não te impacta em nada. Se você é fã antigo, vai ter algum trabalho nas adaptações.

Teve muita gente que não gostou da história dos 100 anos depois no timeline, mas isso é choradeira de gente mala: jogue 100 anos atrás, uai! Nada impede isso se você não curtiu a Spellplague, o retorno de Abeir e outras novidades e aproveite as regras melhoradas da 4e.

Está planejado um podcast de FR focando na 4e, aguarde!

17 de novembro, 2009 às 1:35 pm
 6 

É, nossa warlord inspira o grupo pagando peitinho pra galera.

17 de novembro, 2009 às 1:36 pm
Puppet
 7 

Opa vou ficar aguardando. Se possível deêm uma passada rápida nas diferença sdo FR 4ed. e do 3.xed.

Brigadaum !!

17 de novembro, 2009 às 2:44 pm
 8 

Acho que meu mestre é o único cara na face da Terra que não gostou de Forgotten 4E não por causa das mudanças feitas, mas sim porque não mudaram O BASTANTE na opinião dele. No que dependesse dele, era para todos os NPCs fodões do cenário já estarem mortos e enterrados (isso inclui vacas sagradas como Elminster e Drizzt)!

17 de novembro, 2009 às 4:53 pm
Vinicius Zóio
 9 

Sempre bom ver post sobre as campanhas aqui no Rolando 20 Daniel! ^^

Tenho certeza que esse podcast do Forgotten vai gerar polêmica, rsrsrsrsrs. Vou ficar no aguardo para ouvir! ^^

18 de novembro, 2009 às 7:49 am
 10 

Grande Anand, parabéns pela campanha!

Estou organizando minha campanha e a forma de dispor os acontecimentos está se assemelhando muito a sua aqui no rolando20.

Bons jogos para seu você e seu grupo!

My recent post Tomates e RPG

20 de novembro, 2009 às 5:17 pm

Um Trackback/Ping

  1. Tweets that mention Reporte de sessão: Escamas Púrpura sessão 19 | Rolando 20 - DnD 4ª edição -- Topsy.com    17 nov 2009 / 11pm:

    [...] This post was mentioned on Twitter by rolando20 and rpgblogs, rpgvale. rpgvale said: Reporte de sessão: Escamas Púrpura sessão 19 http://migre.me/bJl8 [...]