Storm King’s Thunder – resenha

stormkingsthunder

A nova campanha de Dungeons and Dragons: Storm King’s Thunder (SKT) é um novo evento transmídia que envolve o livro de aventura, o videogame Neverwinter, conteúdo gratuito (meu preço favorito!) na Dragon+ (clique aqui), e Adventurer’s League e, imagino, romances a caminho. E MAIS ainda!!!! As aventuras de Force Gray: Giant Hunters, do canal The Nerdist AQUI no qual poderemos acompanhar as aventuras de uma equipe de aventureiros especialistas…

Além de ser mais um laçamento de altíssima qualidade com conteúdo de tirar o fôlego, SKT é o primeiro livro de campanha produzido pela própria Wizards of The Coast (os anteriores vieram de estúdios licenciados) e, por causa disso conversa com mais intimidade com a casa dos Magos da Costa (na verdade, Curse of Strahd também é do estudio da Wizards, obrigado ao Thiago “bispo” @thirisi pela correção nos comentários!). Neste livro, veremos ganchos para ligar a nova campanha aos anteriores arcos, dessa forma, os aventureiros podem embarcar na caça aos gigantes saindo das campanhas Lost Mine of Phandelver, Hoard of the Dragon Queen, Princes of the Apocalypse e Out of the Abyss de forma natural e orgânica aproveitando o background desenvolvido. Perceberam que Ravenloft não é mencionado? É porque ninguém sai de Ravenloft…

As organizações e facções de Forgotten são brilhantemente inseridas na história, dando profundidade e fluidez às interações e background dos aventureiros, que realmente vão sentir que estão participando ativamente das transformações do mundo. Destaque pra uma nova facção: The Kraken Society!!! Você achava que a Irmandade do Dragão era formada por malucos? Espera pra ver essa galera…

jggphnmqrk6eiwaeqtff_lord_khaspere_drylund

Vamos à aventura!

A campanha se inicia com a suspensão do mandato divino que estabelece uma hierarquia entre os diferentes tipos de gigantes (colina, pedra, gelo, fogo, nuvens e tempestade), chamado The Ordning (mais no artigo do @sembiano AQUI!) como resultado, os diferentes tipos de gigantes passam a disputar a hegemonia uns sobre os outros, trazendo o caos para as terras (mais ou menos) civilizadas do Norte. Não só isso, mas diferentes poderes e organizações aproveitam a confusão para avançar as próprias agendas de formas, no mínimo… inusitadas… quer dizer, nem nos meus sonhos mais malucos me ocorreria… sequestrar um gigante…

Mais focado em interações sociais, SKT traz uma senhora lista de personagens para facilitar a busca e controle da história. E péra!!!! Não teremos apenas que lutar contra gigantes, senão que a resolução de momentos chave da campanha vai exigir nos tornarmos GIGANTES!!!!!!!! (oportunidade de interagir  de forma descolada com as gatenhas gigantes que movem os fios de algumas tramas… #fikadika

wzneerds4ukdlg7zuh5m_storm_giant_family

Como esse tipo de campanha é complexa e exige muito controle do DM, o livro inclui um utilíssimo fluxograma que ajuda a visualizar os rumos da aventura, facilitando a consulta de conteúdos chave em momentos críticos (obrigado Wizards!)

Com um enfoque na mitologia gigante e sua sociedade, os personagens terão a oportunidade de conhecer mais sobre esses seres e interagir de forma muito mais rica que o tradicional mata e pilha que nos dá tanta alegria, agora poderemos negociar, estabelecer alianças com diferentes facções e nos envolvermos na intriga de gênios maquinadores que manipulam personagens poderosos. Não só, mas poderemos experimentar boa parte do arsenal dos gigantes em diferentes momentos e nos aprofundarmos na misteriosa Magia Rúnica dada pelos deuses para auxiliar na guerra entre os gigantes e os dragões (mais no excelente artigo do @sembiano AQUI sério, esse cara não para??). E, finalmente, a correria é frenética, e a ação percorre o continente i n t e i r o… por cima, por baixo e sequências marítimas eletrizantes. Com uma variedade incrível de cenários para explorar e a adição de uma nova localidade para basear a logística e lamber as feridas entre um capítulo e outro: Goldenfieldsn, não dá pra sentir tédio em Storm King’s Thunder!!!

apdh74vvstoiabcbpkwc_storm_giant_and_shipwreck

Acha que está à altura do desafio, aventureiro???? Então prove!!!

Quer ver um pouco mais do conteúdo do livro? Aqui está um pequeno vídeo que fizemos para apresentá-lo:

Detalhes do livro:

Capa dura, totalmente colorido, 260 páginas recheadas de conteúdo incrível, incluindo hand outs para ajudar no roleplay de personagens chave, mapas das regiões visitadas e um mapa atualizado do mundo (mais ou menos) conhecidos de Forgotten Realms.

Um mapa atualizado de Forgotten Realms que cobre desde a Costa das Espada até Anauroch, e do Norte até o High Moor, com uma colher de chá do Mar das Espadas e do Mar sem Rastros! O original com deliciosos 2.5Mb AQUI (obrigado ao @sembiano pela dica!)

forgottenRealms

Sobre Daniel Cenoz

Comecei a jogar RPG na época que isso ainda dava cadeia na Argentina e meu Ranger está na ativa desde 1997 porque ele sabe a hora de sair correndo. Escrevo pra pagar minha dívida com a sociedade e as pessoas me acham um cara bacana, mas só até me conhecerem melhor. Twitter @danielcenoz
Esta entrada foi publicada em Resenha. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

11 respostas a Storm King’s Thunder – resenha

  1. Antonio disse:

    Peraí, RPG dava cadeia na Argentina???

    • Daniel Cenoz disse:

      Faltou pouco!! Piada interna de rpgistas velhos, mas a grande Paranoia de RPG pegou a gente em cheio e, pra algumas pessoas, ser rpgista era pouco melhor do que traficar orgãos!!!
      Some-se a isso a dificuldade de conseguir material de jogo e a gente praticamente vivia num submundo sórdido rodeados pela escória (que tinha nojo de nós… )
      Mas a gente se divertia mesmo assim!!!

  2. Daniel Anand disse:

    Excelente resenha!! Eu ainda estou lendo a aventura e curtindo de montao.

  3. Só uma correçãozinha: a Curse of Strahd também foi feita pela WotC (não vou entrar no mérito do quanto ela se reapropria do material de 1983). Então, SKT é o segundo módulo de aventura produzido pela casa.

    E é importante frisar o alto grau de replay da aventura: por conta dela não ser linear, mas resolvida por “cenas”, ela proporciona experiências novas a cada vez que é jogada.

  4. LEONARDO MOURA CAMPANI disse:

    Olá, recém tô me enturmando com a 5 edição, jogava a 3.5. Na tua opinião qual aventura depois de lost mines of phandelver rende mais comprar? Essa ou tiranny? Ótima resenha, obrigado.

    • Leonardo,
      ToD você vai ter que comprar dois livros para a campanha completa. É a minha favorita até agora, por abordar dragõeszinhos e ter Titia-mat como chefão final. Mas muitos reclamam da linearidade da mesma. Não li SKT na íntegra ainda, mas ela ganha pontos por ter uma estrutura flexível e muita rejogabilidade. É interessante saber da história de ToD pois SKT bebe muito de suas referências. Espero ter ajudado.

    • Daniel Cenoz disse:

      Oi, Leonardo!
      Vai muito do seu estilo e gosto. Cada aventura tem um perfil bem diferente e marcante: Tyranny of Dragons é o retorno a D&D e um passeio épico que vale o custo de dois livros; Princes of the Apocalypse é hack and slash da melhor qualidade com gosto de nostalgia do Templo do Mal Elemental; Out of the Abyss é sobrevivência, loucura e paranoia no Underdark (que é outro mundo) e Curse of Strahd, cara… é Ravenloft…
      Qualquer livro que vc comprar vai dar meses de aventura. Va no que você achar que tem um estilo mais ao seu gosto!

  5. LEONARDO MOURA CAMPANI disse:

    Valeu pelas explicações, ainda vamos jogar o lost mines. Vou ver com o que o pessoal mais se identificará.

  6. LEONARDO MOURA CAMPANI disse:

    Mas provavelmente pegue Tyranny, para começar, dragons têm o seu valor :P, ela ser dividida é até melhor porque a facada vem em parcela hahahaa

Os comentários estão encerrados.